De Santos à Ubatuba

Boas!

Na quinta-feira, 07/07, reuni os amigos Cassio, Jefferson, Marcelo, Eduardo e Thiago a bordo do Malagô e terminamos os preparativos para mais uma travessia. Fazia tempo que o "Velho Mala" não se fazia ao mar e era chegada a hora, mais uma vez. Eu já vinha preparando o barco há uma semana e a tensão da partida dava lugar a ansiedade de sair logo. 

A previsão do tempo não era das melhores.   Na ida teríamos com sorte algum vento do SE,  a tarde e a Marinha a todo instante emitia avisos de ressaca que o App Gajeiro sempre nos informava. Ondas de três metros, com período longo. Isso significava que além de altas, as marolas (sem vento essas ondas não chegam a quebrar) viriam com bastante força/energia.

Soltamos as amarras do cais às 05h05. O trecho mais complicado foi a navegação até a Ilha da Moela. Optei por não subir a mestra antes do sol nascer e o equilíbrio do barco ficou prejudicado diante das montanhas de água que surgiram na nossa proa. Levamos absurdas duas horas para passar a Moela, por dentro. O mar, então, baixou e conseguimos um avanço melhor. Vento zero, motor ligado, mestra em cima.

Deixando o CIR...

Guarujá, ao amanhecer do dia 08/07
Um pouco depois da Moela encontramos mais três veleiros. Dois que eu não pude identificar e o terceiro, o Panda, do Ronei e do Antonio, lá do Clube. Trocamos insultos gentis e cada um seguiu seu rumo em direção à Ilhabela. O mar vinha de través e balançava bastante, mas conseguimos ter uma vida mais ou menos normal para essa situação, com direito a petiscos e estrogonofe de almoço. Com a mestra em cima o balanço era atenuado. 

Passamos o Montão de Trigo pouco depois do meio dia, por fora cerca de quatro milhas. Às 14h00 o vento SE entrou. Abrimos a genoa, desligamos o motor e velejamos até a entrada do canal. A velocidade média despencou, mas o prazer subiu de forma inversa e proporcional. Céu azul e limpo, ondas de través enchendo o saco. Ainda assim é melhor do que trabalhar.Chegamos na Ilhabela às 16h00. Foi ai que veio o pequeno problema. Pedaços de madeira cairam no convés, vindas do alto do mastro. Como o mastro é de madeira, essa visão é um tanto assustadora. Fui com o Cassio até o pé do mastro e entendemos o que havia acontecido. A ressaca, de través, jogava a retranca com muita força para BB. Depois de tanta porrada, após onze horas de travessia, o trilho que segura os carrinhos voou pelos ares.

Orça folgada...

... na direção...

.. da tão desejada...

... Ilhabela.
A primeira preocupação era: vai descer? Desceu. Ufa! E até que deu pouco trabalho. Ligamos o motor, enrolamos a genoa. Nessa mesma hora a ressaca entrou com tudo no canal. "- Ué, mas não tinha passado?". O mais legal disso, porém, foi ver o malabarismo do Thiago tentando se limpar após ir ao banheiro e sendo jogado para todos os lados do barco, ao mesmo tempo que tentava desviar das coisas que voavam em sua dieração!
O trilho por onde a mestra sobre, no lugar errado: fora do mastro!
Seguimos para o Saco da Capela, tendo como azimute o Cisne Branco iluminado como uma árvore de Natal - coisa linda. Ancoramos na Vila às19h00 e colocamos o barco em ordem. O plano era domir ali e seguir no dia seguinte ou no domingo para Ubatuba. No sábado estava prevista uma lestada de 15 nós, que arrefeceria no domingo. A tripulação já se preparava para curtir  a Ilha (lá tem cerveja!) quando o Capitão mala aqui resolveu fazer algumas ponderações: estávamos só de genoa e motor. E em motor em não confio. Além disso, num vento contra e com a maré contra do canal o Malagô iria a apenas uns 3 nós. Ou seja, seriam dez horas até o Saco, em um sofrimento danado. Se fossemos direto para o Saco, porém, o mar ainda estaria ressacado, mas faríamos o caminho em quatro horas...

O Cisne Branco na noite da Ilhabela.
Pois é. Jantamos carne assada com arroz e farofa, levantamos a âncora e seguimos para o Saco. Nada de cerveja. Incrivelmente o pessoal não fez motim e ainda tocou o barco um tempão para eu dormir um pouco. O mais legal da vela são as pessoas! 

Noite sem lua, passamos por fora da Ilha do Mar Virado e à 01h00 chegamos no Saco da Ribeira. Minha poita estava com o barco do Luiz, então ancoramos. Joguei o ferro perto demais. Refizemos a manobra e enfim, dormimos. Na manhã seguinte os tripulantes voltariam para suas casas e minhas meninas chegariam de Santos de carro. Mas essa já é outra história...

Números sofridos.




Lixo de apenas dois dias!

Cabine limpa, pronta para receber as meninas!
Agradeço aqui minha tripulação, que tornou essa travessia algo bastante divertido!

E vamos no pano mesmo!

Comentários

  1. Juca, quer dizer que agora o Malagô é FLEX??
    Vento e cerveja!!
    Acho que me 'encaixo' nessa tripulação etílica !!
    Abraços a todos!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, não! A cerveja seria um agrado para a tripula e estava em terra. mas como não fomos para terra... a bordo só a boa e velha coca!!!

      Eliminar
  2. Juca, a navegada foi muito boa, seja pelo barco, seja pela tripulação. A vela é incrível por reunir só pessoas bacanas, pelo menos em 99% das vezes. O Malago aguentou muito bem o marzão, principalmente de Ilhabela em diante.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi um prazer motorar com vc! Na próximia prometo que iremos velejar, rs.

      Eliminar
  3. Juca, porque vc não foi no dia 6? Veja o video do tikirio de vento e mar de popa de angra pro Rio...o sw não passou por aí? Mande fotos mais detalhadas do trilho para um veredito melhor. rogeriomartin yahoo com br

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Trabalho, trabalho... sempre o tal do trabalho. velejar de relógio é um saco, rs. Não tenho foto aqui. Quando for ao barco eu tiro para vc! Obrigado!

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

De Ubatuba a Santos

De Vitória a Recife

De Santos à Vitória