A primeira velejada no meu primeiro barco...

Boas!

Pois é, o Fraldinha foi meu primeiro barco e eu me fiz ao mar a bordo de seu trampolim depois de apenas uma aulinha de vela!

Tudo errado. Tudo completamente errado!

Primeiro porque eu comprei um HC 14 - barquinho completamente diferente do Magnum 422. o HC 14 é muito mais veloz, muito arisco, não perdoa erros e como eu descobriria mais tarde, é complicado de orçar. Não é um barco ruim - aliás, muito pelo contrário! - mas não é um barco simples para que um iniciante com meio par de horas de vela, se faça sozinho ao mar...

Segundo porque eu nem sabia montar o barco! Não fosse a ajuda de alguns velejadores do CIR e eu estaria lá, até hoje, tentando entender o esquema dos moitões da escota da vela mestra.

Terceiro porque eu não tinha a menor noção do comportamento do barco e no dia de minha estreia ventava muito além de minha capacidade técnica.

O vento vinha de Leste, com cerca de dez nós - o mar estava cheio de carneirinhos. O barquinho entrou numa empopada louca e eu fingi que sabia o que estava fazendo, mantendo um rumo mais ou menos reto em direção a Ilha Porchat. Logo a diferença de velocidade se fez evidente. Caramba, no que eu havia me metido! Como aquele barco andava rápido!

A baía de Santos, que não é muito grande, logo foi acabando. Na proa apenas a Ilha Porchat ou o paredão da Ponta do Itaiupu (Xixová/Japuí).Eu imaginava (porque dizer que sabia seria exagero, já que saber mesmo eu não sabia era nada!) que dar um 'jibe' seria complicado. Era o que estava no Velejando dos 8 os 80, minha leitura mais profunda até então.Logo, teria que dar um bordo.

A vela estava armada para boreste, cheia e bem aberta. Respirei fundo e trouxe a extensão da cana de leme com toda a força para bombordo. Rapidamente a proa começou a procurar a linha do vento e então o barco foi indo para bombordo, foi indo, indo e... parou! A vela panejava para um lado e para o outro com alguma violência e nada do barco completar a monobra. Pior, ele não retornava para a mareação anterior (uma das características dos multicascos). Fiquei ali, sendo jogado para o paredão, pensando no que fazer.

"As marolas impedem ele de orçar" - filosofei, diante de marolas de vento de no máximo vinte e cinco centímetros de altura... Olhei para o remo; olhei para a entrada da barra. Seria uma remada e tanto, ainda mais contra o vento. Saudades do meu caiaquinho!

A necessidade é a mãe da invenção, não é? E se eu der uma caçadinha bem grande nesse cabinho aqui (nota: esse tal cabinho era o traveller, que estava todo aberto e eu nem imaginava o que era um traveller e muito menos que em multicascos ele tem uma função muito mais séria do que em monocascos). Uau! Foi apenas fazer isso e o barco ganhou vida. Entrou em um través muito louco e depois, na orça. Eu estava voltando para casa. Já era tempo: eu não havia levado água e a sede, debaixo daquele sol alucinante, me consumia. Foi ai que eu descobri que o que se leva quinze minutos para fazer em vento folgado, faz-se na orça - na volta - em muuuuuuito mais tempo. 

Fiquei pendurado nos estais (ou seja, errei o tempo do  bordo e fiquei aproado ao vento)  algumas outras vezes, mas depois de uma surrinha e outra (e de descobrir que se desse marcha a ré - vela mestra contra o vento e leme ao contrário - o bicho entrava de novo no vento) retornei para a marina sozinho: sem reboque, seco e vivo.

Minha relação com o Fraldinha foi de amor e ódio. Passei um ano velejando simplesmente todo sábado e domingo, não importava o tempo. Bumbum no trampolim! Peguei mar liso e mar grosso; céu azul e o breu total; ventania e calmaria. Tive quebras sensacionais (duas vezes fiquei sem mastro, uma sem leme e um dos cascos chegou a ficar completamente cheio de água - o estado de conservação dele era crítico, lembram?). Ele me ensinou a velejar e a laminar. Com ele aprendi o que era um rebite e uma rebitadeira e o que acontece quando não se sabe usar direito uma rebitadeira. Aprendi a pintar e o que acontece quando se pinta sem preparar bem, antes, a superfície...

O Fraldinha foi meu professor de vela. Um professor autodidata e sem método, para uma anta de aluno também autodidata. A coisa foi na base dos socos e ponta pés! Eu o odiava na maioria das vezes. Mas era apenas ele me levar para uma velejada sem maiores perrengues que esse ódio virava amor. Hoje sei que com veleiros a coisa é invariavelmente assim.

Um ano depois eu anunciei o Fraldinha por R$ 1.500,00. Vendi em uma semana, em um sábado de dezembro, para um rapaz de Praia Grande. Meu amigo foi embora e eu fiquei aliviado. "O HC 14 é um barco que não presta", dizia para mim mesmo, tentando afastar a realidade mais óbvia: quem era medíocre era eu, não o barco!

 Uma semana depois encontrei um Laser abandonado em uma marina. Comprei por R$ 450,00. Era o Catatau. Depois dele vieram tantos barcos que eu nem sei bem ao exato contar. Alguns eu comprei e sequer usei, como os Hobie 3.9 Filhote e o Number One. Com outros eu tive uma relação bastante próxima, como o Catatau, o Branca (um Dingue), o Cherokee (meu segundo Hc 14 e que foi até hoje o barco mais divertido que eu já tive!) e o Brisa, o Daysailer que deu origem a esse blog, lá em maio de 2009. 

Meu começo foi tumultuado e eu poderia ter economizado muitos sustos se tivesse apenas aguentado uns gritinhos do meu professor. Mas gritos, no meu barco, não têm lugar. Foi assim quando eu era aluno, é assim hoje. 

A vela, como muitos outros campos do conhecimento, se ressente da inexistência de professores que tenham um método concreto para  a transmissão do saber. Na vela em particular isso é um pouco pior pois é um saber empírico. Não basta caçar um cabo ali, guinar para ali: é preciso ensinar a sentir o mundo a volta - o vento, o mar, os animais, as plantas, as rochas... é como ensinar a beijar na boca: não pode ser à força!

E vamos no pano mesmo!



Comentários

  1. Como me reconheci neste post, 1 aula e vamos pro mar, teimosia e falta de experiência, perrengues e prazeres, velejando dos 8 aos 80 foi minha bíblia durante muito tempo, mas desde aquele nosso papo e aquela aula no malogô as coisas mudaram... e melhoraram com a travessia Paraty/Ubatuba no Gaipava... Sou grato a você e ao Ricardo Stark pela paciência que tiveram e ainda tem comigo!

    ResponderEliminar
  2. Juca, comigo a primeira vez no mar foi em um hobie 3.9, que trincou a fibra e encheu d' água, custamos a voltar. Agora eu sou um sem veleiro, ontem o hobie foi embora depois de 6 anos comigo. Abraços

    ResponderEliminar
  3. Estou nessa fase também: "Eu o odiava na maioria das vezes. Mas era apenas ele me levar para uma velejada sem maiores perrengues que esse ódio virava amor." muito boa história!

    ResponderEliminar
  4. To fazendo um teste pra ver se vai a msg. .. putss esse tal de logim é dificil calma galera que sai já

    ResponderEliminar
  5. Vamos tentar de novo. .. saiu aí? ?? Ker diser do outro lado ai??

    ResponderEliminar
  6. Estou começando agora e ja pirei.. chego a sonhar com vela... mais sao mto detalhes. .. alguém sabe me dizer qual a diferença entre magnun 422 e o lazer... parece que são iguais. . Mnha região de aguas doce rios.. Temos pouco conhecimento ????? E tb onde consigo vela para magnu e ginge... pois as nossas tao meio detonadas valew

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Onde guardar um veleiro.

De Ubatuba a Santos

De Vitória a Recife