E depois da tempestade, vem a belíssima!

Boas!

Já dizia o ditado que  depois da tempestade, vem a belíssima... é isso, não é?!

Bom, deve ser, pois o fato é que no dia seguinte ao nosso perrengue aluguei o Malagô para a Editora Abril/Revista Estilo - edição 0135. O Velho Mala, então, ainda um pouco capenga (mas disfarçando muito bem, pois a essa altura da vida ele aprendeu a não mostrar abatimento), tratou de ir passear  pela baia de Santos com a atriz Vitoria Frate, a fotógrafa Karine Basilio e a equipe de produção, maquiagem e toda essa coisa da qual eu entendo tanto quanto aramaico arcaico. Ainda bem que o Malagô tem um convés amplo! 

Entre uns bordos para lá e para cá - o vento, o mar e o céu estavam perfeitos - a intrépida fotográfa fez acrobacias e colocou a modelo até em cima da retranca... Só não deu para fazer uma foto do alto do mastro, com o barco velejando e adernado!, porque eu tenho juízo e o vento apertou muito (não necessariamente nessa ordem).

Cabe destacar que nessa faina tão estressante (principalmente para os olhos) eu contei com a ajuda inigualável e sempre atenta da Capitã Priscila, que esteve o tempo todo ao meu lado, segurando minha mão! Amar é...







Passado o momento glamouroso, tratamos de arrumar as coisas. Houve algumas quebras e há novas goteiras que precisam ser contidas e duas luminárias internas foram para o espaço sideral. Tudo bem que um barco sem goteira não é um barco normal, mas a situação está calamitosa.  

Entre um reparo e outro reuni a tripulação de regatas no último sábado (Aruã, Malito, Fabio e Cassio). Tentamos particIpar da 8ª EtaPa do Circuito Santista de Vela de Oceano, organizado pelo CIR. Mas havia muita corrente e nada de vento para um peso pesado. Assim foi um pé naquele lugar ver os barcos mais leves indo embora enquanto a gente se matava para avançar um poquinho que fosse. Desistimos depois da primeira perna. Vento fraco não é para o Malagô... 

Voltamos para a marina, onde instalei o novo contagiros e o Aruã  subiu no mastro, cheio de coragem, para trocar o moitão do amantilho do pau de spi e revisar uns parafusos. Nossa próxima aventura será subir o balão, que já foi até defraldado, mas essa a gente conta depois!


E vamos no pano mesmo!



Comentários

  1. Juca, marca uma velejadinha lá prá Ilha da Cotia....aí vc faz igual ao Walnei fez outro dia : tranca a mulher em casa e 'esquece' de levar o celular...rsrsrsrsrsrs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Me avisa quando vai ser que eu tranco a patroa novamente! eheheh!

      Eliminar
  2. Gente, se eu tranco ela em casa que nem o Walnei, seja só para ir até a esquina, eu morro na volta. O Walnei tem que contar a mágica!!!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

De Ubatuba a Santos

De Vitória a Recife

De Santos à Vitória