Eu estou devendo...

Boas!


Por aqui vai tudo bem. A Alice não estava com H1N1, o que descobrimos depois de dois dias tratando com antiviral sem melhora. A infecção no fim era bacteriana e depois dos antibióticos ela já está firme e forte. Eu, a Priscila e a Brida é que sofremos um pouco, não apenas pela preocupação, mas também porque pegamos a bendita bactéria! Uma semana com dor de ouvido, garganta e febre. Mas já está tudo bem conosco também.

O Malagô flutua, firme e forte. A minha teoria de que não havia furo no calafeto vem se confirmando. As baterias estão funcionando com carga, as bombas voltaram a funcionar no tempo de antes e o porão está seco. De toda a forma vou trazê-lo para o Guarujá para subir e fazer fundo (a última vez foi m 2010) e trocar a gaxeta pelo selo mecânico. Essa discussão rende muitos comentários, mas para mim que fico longe do barco (mais até do que gostaria) não ter aquele pinga a ponga vale o preço a mais. Vou usar um selo da Volvo, vendido pelo Guilherme Vestphal (que tem um Classe Brasil também, o Cangaceiro) por R$ 650,00. Isso é vinte vezes mais caro que uma gaxeta nova. Mas eu ficarei mais tranquilo e isso não tem preço.

No meio dessa confusão toda esqueci de agradecer duas pessoas, e por isso o título desse post.

A primeira é o nosso leitor Fabio Tutiya. Dia desses eu sentei aqui em casa para ler Um brasleiro velejando as antilhas, de Geraldo Tollens Link. Mas logo no começo percebi que esse era o segundo livro da viagem. Havia um antecessor, mas eu não o tinha, o que me deixou ligeiramente aborrecido. Pois nessa mesma semana recebi pelo correio, em devolução, o livro do Serge Testa (A volta ao mundo em um 12 pés - sim, você leu certo). Junto com o livro veio um bilhete simpático do Fabio e, vejam só, o primeiro livro do Geraldo: Velejando o Brasil: de Porto Alegre ao Oiapoque, doação para nosso acervo que, como vocês sabem, é público - eu empresto para quem quiser, é só pedir! Valeu Fabio! Só não fiquei mais contente porque você ainda deve uma visita ao Malagô!

A segunda pessoa a quem eu devo meu muito obrigado é o Walnei Antunes, que semana passada, em meio ao alagamento do velho Mala, me doou um outro livro super legal: Veleiros ao Mar, de Sarah Manson (esse é ficção e o Walnei acertou em cheio, pois depois de trinta livros sobre viagens reais, a realidade fica fantástica demais!).Valeu Walnei! 

Quinta-feira estou indo buscar o Malagô. Ele irá primeiro para o Chinen e, de lá, para o Pier 26, no CING. Quando voltar faço um post com o relato dessa travessia!

E vamos no pano mesmo!

Comentários

  1. Bom dia Capitão Juca . Quem deve um grande obrigado somos nós leitores e alunos.Pela sua incansável e dedicada ajuda, tanto no Blog , como em aulas ou no Fórum da náutica.
    Elucidando com sagacidade e bom humor as coisas do mar e dos barcos.
    Mesmo sem ter por enquanto, participado do curso já aprendi muito lendo, e pretendo se tudo der certo participar do curso de 19 e 20 de outubro."Mando mais detalhes no e-mail"
    Sem mais muito Obrigado mesmo e Parabéns pelo Blog e continue assim.
    Abração e Bons Ventos...Fábio Tutiya

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Onde guardar um veleiro.

De Ubatuba a Santos

De Vitória a Recife