Paraty, quarenta e dois nós!

26 de dezembro de 2012. Tarituba estava ótimo, mas percebemos que a Alice estava sem presente de aniversário! Depois do café da manhã - e de recolher a tralha do convés, de novo - voltamos para a cidade motorando por duas horas e meia. No caminho, golfinhos. Foi a primeira vez que a Pri os viu "para valer", mas eles estavam comendo e não quiseram saber de brincar na proa do barco. De qualquer sorte, como eles só se mostram para os puros de coração, a Almiranta já está no lucro!





Além do presente da Alice eu já começava a pensar no retorno para o Guarujá. O plano era sair de Paraty no dia 01 ou 02 e vir navegando, devagar. Primeiro iriamos até a praia do Pouso de Cajaíba. No dia seguinte atravessaríamos a Juatinga e a Ponta Negra e dormiríamos nas Couves ou em Picinguaba. De lá seguiríamos para a Ilha Anchieta, depois para o Saco da Capela, em Ilhabela e então para o Chinen. Acontece que eu não tinha cartas da Juatinga para cá (a não ser eletrônicas, mas eu já tive muita pane elétrica nesse caminho para confiar na eletrônica cegamente). Fomos de loja em loja, mas apenas as cartas da região estavam disponíveis e essas a gente tinha em papel. Só restava um lugar: a Regatta!

Lá fomos nós com o jipe para a Porto Imperial! Claro que eu só pensava no guincho!!!

Entrei na loja "todo macho", pronto para gastar sem dó! Achei as cartas que queria - primeiro assalto: R$ 70,00 cada uma (foram três!), quando na Mar Mattos aqui em Santos custam R$ 50,00. Depois a Pri achou um maiô para a Alice que é também colete. Ficou perfeito, mas a mãe pão dura logo percebeu que não duraria até o verão seguinte. Resultado? Levou um que vai durar até os seis anos... seria bom se a neném não tivesse ficado parecida com uma tartaruga ninja mutante! O trem é enorme e só se vê os olhinhos e as pontas dos membros superiores e inferiores para fora! Mas quando ela tiver seis anos vai ficar perfeito... sem falar no preço...

E  então que chegou a hora. Olhei para um canto e lá estavam eles: os guinchos! Um mais bonito que o outro, cromados, reluzentes! Pedi ajuda para o vendedor. Qual seria o melhor para o meu barco?! Eu ainda estava com cabeça de atoll 23... pobre de mim. Literalmente. Definido o modelo mais adequado, perguntei o preço. Com muita naturalidade o vendedor, super gentil, foi incisivo: "- R$ 5.789,56, à vista".

Meu pai do céu! Antes de viajar eu tinha olhado guinchos para o jipe e fiquei com dois mil reais na cabeça.  Estava preparado para muitas parcelas com esse valor como base. Mas aquilo não era nem de longe o que eu estava esperando. De repente olhei para meus braços e vi músculos crescerem! As roupas ficaram apertadas e eu parecia o Popeye! Olhei para a Pri e ela parecia a She-ra!!! "- Guincho é coisa de boiola! Eu e a Pri damos conta daquela âncora fácil, fácil!!!" 

Enfiei o rabinho entre as pernas e fomos para a cidade tomar sorvete e andar pelo centro histórico. Compramos o presente de aniversário da Alice e a tardinha voltamos para a marina, onde tomamos banho de chuveiro sem limitação de quantidade de água ou tempo.

A noite, depois do jantar, sentimos a brisa refrescar. O vento começou a uivar nos estais e a tempestade mais forte de todos os dias que passamos por lá entrou com tudo. Raios, muitos raios. A cidade ficou sem luz depois que vários transformadores explodiram. Dava para ver os clarões deles indo pelos ares. Era bonito, mas dava medo. O vento aumentou mais e percebi que não ia dar para continuarmos com os toldos. Vesti o casaco vermelho e fui lá fora recolher tudo. Quase cai do barco umas duas vezes, por conta do vento e do balanço. Passei um segundo cabo na poita e voltei para dentro do barco. Não havia mais o que fazer senão esperar. O vento bateu a casa dos quarenta e dois nós e eu não perderia a chance de fazer um post parafraseando o Paraty quarenta e dois graus do amigo Stark!

Fomos dormir.






Comentários

  1. hahaha tartaruga ninja foi o máximo rssss

    brother 42 nós com a patota toda é jogo duro, fico feliz que tenha dado tudo certo.

    Grande abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fala garoto!!!! Tenho acompanhado suas peripécias! Os 42 não são nada perto do frio cortante que vc pega por ai! Além disso, ele durou pouco. Espero vc por essas águas mais quentes em breve!!!

      Eliminar
  2. 42 knots em Paraty, nas marinas... Karakas!!!

    ResponderEliminar
  3. "De repente olhei para meus braços e vi músculos crescerem! As roupas ficaram apertadas e eu parecia o Popeye! Olhei para a Pri e ela parecia a She-ra!!! "- Guincho é coisa de boiola! Eu e a Pri damos conta daquela âncora fácil, fácil!!!" "

    Chorei de rir! Muito bom esse post Juca!

    Abraço grave.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

De Ubatuba a Santos

De Vitória a Recife

De Santos à Vitória