Motor de popa para o Atoll 23

Boas!

O Cusco veio com um motor de popa mercury 8hp, rabeta longa (que só me deixou na mão uma vez, na travessia entre Paraty e Santos). Em Paraty (minha vaga era no píer) eu sempre sofri com o peso dele. Aqui em Guarujá esse problema seria triplicado. O motor é levado até o barco - que está em uma poita - pela chata de serviço da marina e é colocado no lugar enfrentando o balanço da chata, o balanço natural do veleiro e as marolas das embarcações que  cruzam o canal. Peso é um problema sério nessas circunstâncias. 

Vendido o motor veio a dúvida: qual motor comprar? O plano era ter uma parelha para duas situações diversas: travessias mais longas (e ai o escolhido é o Yamaha 8 hp, rabeta longa) e para uso no dia a dia. Nesse último caso, a indefição estava entre o mercury 3,3 hp ou o mercury 5 hp, rabeta longa.

Muitos me disseram que o 3,3 tocaria o barco. Outros tantos que de jeito nenhum. Já o 5 tocaria sem problemas, mas ele é bem mais pesado (13 kgs do 3,3hp x 20 do 5hp) e R$ 1.000,00 mais caro.

Meio na cara e na coragem, escolhi o mercury 3,3 hp.

Valeu à pena?

É o que estou avaliando, mas algumas impressões já tirei:

1. O motor toca o barco, sim. E sem que seja preciso usar a aceleração total (o que acaba com a vida útil do coitadinho).

2. O motor é sensível à correnteza forte. No meu caso, ai, tem um complicador. A correnteza no canal é muito, muito, mas muito forte: 

a. Em situações de vento nulo e com a maré no estofo, ele toca o barco a 4 nós com 80% da aceleração.

b. Em situações de vento nulo e maré a favor,  ou de vento a favor e maré a favor, ele faz bonito: 4 nós com 50% da aceleração e 5 nós com 80% - minha zona ideal.

c. Com vento contra e a corrente favor, ele faz 4 nós com 80% da aceleração.

d. Com vento a favor e corrente contra, ele faz 4 nós com 80% da aceleração..

e. Com vento e maré contra, ele vai a míseros 1,5, nós com 80% da aceleração - "The worst case cenario".

3. Quando a situação permite tenho utilizado vela e motor, em conjunto, e dai ele fica em 30% de aceleração, quando muito e o 1,4 litro de capacidade do tanque interno dura "uma vida".

4. Tenho planejado todas as minhas saídas de acordo com a maré. A intenção é sair para o mar com ela a favor e voltar com ela também favorável.

5. O ruído é aceitável.

6. O consumo é ridiculamente baixo, mas o reabastecimento não é lá muito simples (mas já estou trabalhando nisso, rs).

7. O fato de ser rabeta curta não influenciou muito, pois no canal não há ondulações (a não ser a das lanchas que passam, mas ai até o rabeta curta encontra problemas). Mas tive que fazer alterações no suporte, para ele descer um pouco mais do que descia antes.

8. Algo que me deixou muito feliz é que tenho velejado muito mais. Antes, qualquer merreca me fazia ligar o motor. Agora resolvo as coisas muito mais na vela, usando o motor apenas para anular o efeito da corrente, e quando esta é contrária.

9. Ainda não testei no mar, mas apenas para ir até o mar e lá seguir apenas no vento. É o próximo teste. Mas já sei que não o usaria como motor principal em uma travessia mais loga, mas o usaria como motor reserva sem problemas (para entrar no porto).

E vamos que vamos!

Comentários

  1. Juca. Acho que a questão da corrente contra é complicada porque, para isso, precisaria de mais velocidade, o que é difícil de obter com aumento de potência e até impossível acima do limite do casco. Na realidade, em relação à água, o barco continua andando bem. Quanto a vencer o vento, talvez um hélice de passo menor ajude. A questão é se não vai perder velocidade ou dar "sobregiro".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é... eu já decidi virar apenas um viajante da maré. Entrar e sair do canal só quando eu não tiver que brigar com os elementos. Minha vida mudou muuuuito! rs

      Eliminar
  2. Juca. Hoje tirei pra te perturbar (rsrsrs). Vi que está pensando na questão do aumento da capacidade de combustível (ou facilidade de reabastecimento) do motorzinho e, como tenho o mesmo problema, gostaria de trocar umas idéias contigo (capaz de a gente fundar um grupo dos proprietários dos Mercury/Tohatsu). Me manda um mail pois não achei o teu.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito boa tua avaliação, levando em conta sempre todos os fatores envolvidos. Estou comprando um tb e escolheria o 5 hp - meu veleiro - um bruma 19 , bem mais leve que o seu - mas por dois motivos: 20 kg eu carrego, facinho , mas acho que o 5 hp pesa uns 25 - mas está bom. E rabeta longa porque já tive um rabeta curta ( aqui tenho marolas - Lagoa da Conceição - Florianópolis ) e tinha que descer ele ao máximo no suporte. Consequência: pra alcançar a marcha, no momento de atracar eu tinha que me abaixar tanto que não enxergava a proa! Só pra acrescentar esse detalhe par quem for como eu, que tenho 1,60 de altura e braços não suficientemente compridos pra isso! :-) E como gosto de velejar sozinha, isso me complicava. Abraços.

      Eliminar
    2. Detalhe: sou mulher , baixinha, mas até com motor de 35 Kg que eu tinha (* era um Honda 6,5 hp antigo 4 tempos ) já arranjei jeito de içar o motor com a adriça da grande ... Não pesava nadica usando a catraca!

      Eliminar
  3. Agora que vi que esse comentário teu foi de 2012! rsrs

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

De Ubatuba a Santos

De Vitória a Recife

De Santos à Vitória