Dias de folia!


Boas!

No Carnaval passado estavamos em Paraty, estreando o Cusco. Nesse, ficamos em casa, curtindo o bloco da Alice. Acreditem, nele não faltou animação! Foi Láááááááááááááááá para todo lado (ou seria Buááááááááá?), até rasgarmos a fantasia!!!

Meu plano, prevendo o trânsito complicado e a agitação aqui por casa, era trazer o Cusco mais para perto. Ajeitei de deixar o barco no Pier 26. 

No sábado, às 07h45 soltamos as amarras rumo ao CING, via canal de Bertioga. Eu já fiz essa travessia algumas vezes, a maioria de caiaque. A mais divertida foi com o Brisa, apenas no vento (vamos no pano mesmo!), ida e volta.

Como nunca atravessamos o canal com barco de quilha fixa e sabendo que em alguns lugareso encalhe é certo, levei comigo o Pirulão, como "prático" e o Luis, que conheci em uma lista de discussão na internet e com quem já passei alguns perrengues caros e memoráveis (para tirar a teima se o azarado era ele ou eu). Contei também com a ajuda do amigo Alan Trimboli, que me passou wayponts precisos do trecho do largo do Candinho, para mim o mais complicado.

Às 10h45 em ponto haviamos vencido as 10 milhas entre a poita e a ponte férrea. Ao solicitarmos ao operador que subisse o vão móvel, fomos informados que a ponte estava interditada por tempo indeterminado. Foi um balde de água fria! Já dava para ver os prédios na Ponta da Praia! O CING estava logo ali, a menos de uma hora de navegação! Foi duro dar meia volta... Menos mal que deu para velejar por um bom trecho, com ventos fracos, ventos fortes, frio e chuva caindo as cântaros, cujos pingos  mais pareciam pedras... divertido!

Pois é, ainda não foi dessa vez que o Cusco veio para Santos... já é a segunda tentativa. Mas no mar é assim mesmo, não dá para se controlar todas as variáveis. Depois de alguns dias, bem feitas as contas, não teria valido a pena, pois o tempo ficou uma droga...
















O céu púmbleo foi uma constante nos dias de Momo...

Velejada do dia 07/03, com a Alice a bordo. Em asa de pombo da poita até Candinho!


No dia 07/03 saimos novamente, com a Alice a bordo.
O fato notável foi a Priscila, que quis dar uma de engraçadinha e mergulhou no canal sem antes lançar um cabo para fora do barco, como sempre faço. " - Frescura do Juca!", deve ter pensado. Quando percebi, a guria estava se afastando rápido, por conta da forte corrente do canal. Nadava, nadava, e nada de sair do lugar! (sem trocadilhos). Lancei a bóia, mas a retinida de 50 metros acabou e nada de ela alcançar. Emendei mais 20 metros de cabo e nada... É claro, as duas se afastavam na mesma velocidade! Foi ai que o pessoal da marina se tocou e mandou um barco atrás dela, para o resgate. Esperta a moça, não?!
E vamos que vamos...

Comentários

  1. Que barbaridade!
    É! Não dá para brincar e, sempre soube que água não tem galhos, portanto, nada melhor que prevenir com cordas, ou bóias.

    Abração e, bons ventos.

    Há... Dá um puxão de orelhas por mim.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Onde guardar um veleiro.

De Ubatuba a Santos

De Vitória a Recife