Navegando em braile ...

Boas!

Em parceria com a empresa Brazil Boat Share realizamos mais uma turma de nosso curso básico de vela oceânica, dessa vez a bordo do veleiro Anarquia, um Pantanal 25 de propriedade compartilhada sobre o qual eu já falei aqui antes.

Na tripulação tivemos o casal Rogerio e Alessandra, o Julio e o Rafael, na sexta, e o Felippe, que se juntou ao grupo no sábado. Por conta de uma frente fria as condições estiveram um pouco fora do usual: muitos carneirinhos, chuva, sensação térmica lá embaixo e visibilidade baixa.

No sábado, em especial, as nuvens baixas nos permitiam ver apenas alguns prédios da orla de Santos. De resto havia apenas uma névoa branca e o som dos sinais sonoros dos navios que entravam e saiam do porto mais movimentado do país.

Por segurança conduzimos a aula na altura do ISO Vermelho, que tem boa distância da orla e fica igualmente afastado do canal dos navios. Mantivemos, ainda, a navegação em um eixo Leste-Oeste, sempre em orça e afsatando da orla. Assim ficava mais fácil para o timoneiro se guiar pela agulha magnética, nossa referência visual mais confiável (havia um chartplotter também). Falamos bastante sobre navegação em mau tempo, tomada de rizo e homem ao mar e aquela situação especial dava um certo realismo às explicações.  A tripulação se adaptou muito rapidamente ao barco e os bordos foram muito bem executados, mesmo com ventos acima de 15 nós, ainda resultado da frente. 

Após abordamos na prática a manobra de fundeio - dessa vez fizemos na Praia do Góes e não no Sangava-, resolvi levar os marujos para terra, pois todos estavam muito molhados e alguns com muito frio. Velejar tem que ser divertido, não congelante. 

No dia seguinte havíamos programado a terceira aula do básico, indo até a Ilha da Moela. Mas conversamos e resolvemos adiar para um dia mais ameno. Como bem disso o Julio, deixemos o mau tempo para quando atravessarmos o Drake! A ida à Moela teria sido bem interessante, pois a todos os ingredientes daquela panela foi adicionada uma bela... RESSACA! Culpa do Rafael, aposto.

Agradeço aos meus amigos dessa turma, que se comportaram de maneira exemplar mesmo em condições não muito confortáveis. O excelente moral a bordo ajudou a superar o frio e até me faz esquecer que vez ou outra os cabos ainda eram chamados de corda...

E vamos no pano mesmo!

Galeria:

Rogerio (centro), Alessandra, Juca, Julio e Rafael.

Alessandre a Juca.

Julio e Rafael.



Julio.

O valente Anarquia.




Comentários

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Quanta mágoa nessas velas.... ressaca? Nunca! Só um pouco estragado
    Rafael

    ResponderEliminar
  3. Quanta mágoa nessas velas.... ressaca? Nunca! Só um pouco estragado
    Rafael

    ResponderEliminar
  4. Parabéns a todos!
    Poucos se animam a velejar naquele tempo feio, com aquela chuva fina, frio e vento forte.

    ResponderEliminar
  5. Deu para aprender bastante o que é navegação em condições de tempo pouco favoráveis. Achei sensacional esta que foi a minha primeira experiência em um veleiro. Parabéns para o Juca e para a empresa Brazil Boat Share. Bons ventos para todos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

De Ubatuba a Santos

De Vitória a Recife

De Santos à Vitória