Velejando na bruma...


Boas!

Quando eu tinha barcos pequenos vivia sonhando com os grandes. Dizem que o barco ideal tem sempre três pés a mais do que o nosso atual. Comigo, porém, tem  ocorrido o oposto: tenho lançado os olhos para os pequenos. Por conta disso nesse sábado  decidi  velejar no Cusco Baldoso, o Daysailer de nossa escola de vela que fica em Guarujá. 

Para a "aventura" convidei o Cassio Souza e o Aruã Covo, que prontamente aceitaram. O dia amanheceu com um espesso nevoeiro e não tínhamos certeza se daria para sair, especialmente porque não levaríamos o motor de popa - a coisa tem que ser no pano mesmo! Montamos e desmontamos o barco duas vezes, para eles aprenderem os macetes e fomos esperar o vento no bar do clube. Nessa o Jefferson, do Goludo, apareceu e como ele sempre atrai muito vento não deu outra: após meia hora de papo o dia foi salvo e o vento entrou - fraquinho, mas o suficiente para o Cusco. Grande Jefferson!!!

Mesmo com um ventinho de nada e com três tripulantes o barquinho andou muito bem!

Aruã...

... Cassio e...

... Juca.

Velejamos pela baia de Santos e conseguimos simular três pernas de regata (barla-sota), aproveitando para explorar as regulagens do barquinho. Na prática as regulagens de vela são as mesmas de um oceano, orbitando entre as tensões nas adriças e nos pontos da buja para cada mareação. Uma diferença é a bolina, que vive em um sobe e desce e a posição da tripulação, que influi mais do que nos veleiros lastreados. Algo muito interessante é que o resultado se nota de maneira muito mais vívida do que em um oceano e os conceitos ficam mais bem fixados. Um exemplo claro é a tensão da adriça da buja na orça e a da esteira da mestra no popa. O veleiro muda completamente. Uma grande pena foi não ter outro daysailer para "competir" conosco. Pode-se velejar todos os dias, mas só se começa a velejar bem e de forma competitiva quando velejamos com (contra) outro barco.




Voltamos para o clube no pano até a Fortaleza da Barra. Lá o vento, de S, miou e tivemos que apelar para a corrente da maré e para o vento sueco: o remo. Chegamos por nossa própria conta um pouco antes das 17h00.

E é isso ai, vamos no pequeno mesmo!
    


Comentários

  1. Delícia!! É só velejar sem preocupação com motor, manutenção, casco,poita, nada....confesso que às vezes dá vontade de vender o 'oceano' e comprar um Dingue, um Star, um Snipe, um Finn....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É... dá para se pensar mesmo! Mas ai não tem pernoite a bordo com a Almiranta, ancoragens, travessias, banheiro... kkkk, essa nossa vida é doce, mas não é fácil!!!

      Eliminar
  2. Juca, algum tempo atrás eu velejei o vivrinho de novo, aquele de 16 pés, me pareceu tão mais fácil e divertido, e sabe que eu comentei com a patroa que se pudesse compraria o barquinho de novo!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E isso pq seu 40 ainde nem chegou!!! Quando o barco é menor a gente veleja mais. Mas velejar não é apenas velejar...

      Eliminar
  3. Foi muito boa a velejada e principalmente a simulação pra regata!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi legal mesmo. Na próxima será mais, pois tenho ideias!

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Onde guardar um veleiro.

Kits para construção amadora - POP 25!

O dia que partimos para Abrolhos, mas chegamos em Búzios...