Limpando os porões...

O ano, como medida de tempo, é apenas uma ilusão. Mas não existe à toa: de tempos em tempos é preciso liberar o passado e começar de novo, ainda que isso seja um simples faz de conta. Foi o que fiz. Abri as tampas do porão do Malagô e comecei e retirar a sujeira. É incrível como coisinhas tolas, do dia a dia, vão se acumulando. Papel de bala, muitos parafusos, lascas de tinta e de madeira. Sozinhas, são pouca coisa. Mas aos poucos elas se encontram e formam uma parede potente que bloqueia a passagem da água. O espaço entre cada antepara ou caverna fica estanque e a bomba de porão funciona em seco, até queimar. Dá trabalho? Claro. Mas pelo menos uma vez por ano precisamos limpar os porões do barco. Revisitar o que perdemos. Passado demais pesa. O barco anda menos e isso nos dá raiva. Pior: sentimos raiva sem nem lembrarmos o motivo... Mas não se engane, navegador: é culpa dela, da sujeirinha santa - ou não tão santa assim - de cada dia, que consegue entrar pelas frestinhas mais absurdas e fica lá, esperando o momento de encontrar outra sujeirinha, e mais outra, e outra, até que... É nojento? Sim. Depois que fica imersa em água parada, por meses a fio, a pequena sujeira se transforma em algo podre, mole, amorfo e envolto em óleo negro e fétido. Nossos porões têm uma carga limitada. Por maior que sejam - e olha que o porão do Malagô é grande - não comportam mais do que as leis da física permitem. Pior: mesmo grande, as aberturas de drenagem são pequenas. Menos do que um punhado pode comprometer todo o sistema. Cada antepara precisa da outra; nenhuma caverna é uma ilha. É preciso limpar os porões pelo menos uma vez ao ano, por mais ilusório que o conceito de ano seja.  Dói?  Às vezes sim. Ontem mesmo me cortei roçando em um parafuso exposto, escondido pela água suja. Estivesse limpo o porão e eu teria visto a ameaça, teria me precavido e não teria explodido em palavrões. A sujeirinha nossa de cada dia nos cega e nos afunda na ira tola. Resolve? E como! Depois de limpo a água corre cristalina, a pintura branca reluz e as bombas, acionadas pelos seus automáticos, trabalham em sincronia e no tempo exato. Pelo menos até o dia seguinte, quando começa tudo de novo...





Comentários

  1. Mas só o prazer do dia de limpar já vale a pena! rsrs

    ResponderEliminar
  2. Obrigado pelo blog , tenho apreciado "a milhão" , e que tenham um Feliz Natal e um ótimo 2014 com bons ventos pra todo mundo.
    Roberto

    ResponderEliminar
  3. Bonito texto, com uma metáfora muito interessante para aqueles que entendem. Boas Festas!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Onde guardar um veleiro.

De Ubatuba a Santos

De Vitória a Recife