O barco avisa...

Boas!

Quem nos acompanha deve se lembrar que a vela mestra, na volta de Ilhabela, apresentou problemas ao subir. Voltamos só de genoa, balançando feito loucos - pois sem a mestra em cima e na ausência de vento a estabilidade é prejudiciada - e chegamos sãos e salvos.

Matutei bastante sobre o problema e me dispus a subir no mastro para desentortar o carrinho do trilho (teoria que desenvolvi para explicar o assunto, sempre de olho na tal da navalha de Occam). Desde já agradeço aos meus alunos/amigos Cassio, Júlio e Flávia que mais de uma vez se ofereceram para ajudar nessa empeitada.

Alice "pecando"...

Contudo, todavia e entretanto o tempo foi passando e o vento se fez bem presente aqui. Era impossível subir no mastro com segurança e mais impossível ainda testar a subida da vela mestra, a não ser que tirassemos o barco da vaga para fundeá-lo ao largo, mas eu não estava com a mínima disposição para isso.

... embora na isca não houvesse anzol, rs.

Nisso  o tempo foi passando e eu comecei a pensar melhor... Ora, se fosse o trilho torto não subiria carrinho algum. A vela parava na metade enisso mais de uma dezena de carrinhos passavam. Era uma coisa seletiva? Não. O que havia de diferente, então, que eu não estava dando a devida atenção?!

Eureka!

Quando subimos o barco foi preciso retirar o estai de proa. Ao recolocá-lo eu intencionalmente dei muito mais voltas no estai de popa, deixando o de proa bastante caçado. Nisso a curvatura do mastro aumentou severamente e era de se esperar uma travada logo na metade da vela, justamente o que acontecia! A orça melhorou um bocado (efeito de se colocar o mastro mais a ré), mas de que adianta orçar sem velas? 

O Malagô, visto do Goludo - Foto Jefferson Neitzke

O que eu não me dei conta foi que o barco tinha me avisado isso uma semana antes! Quando velejamos no dia da sáida do Pier 26 a catraca que recolhe o cabo de aço que é a adriça da vela mestra se soltou do mastro e foi parar lá em cima. Aquilo era o aviso: "Seu trouxa - disse o "Mala", em linguagem corporal explícita - esse mastro está com muita curvatura à ré!". Mas eu, claro, não entendi o que ele me disse e me estrepei. Um barco sempre avisa quando algo está errado. Ele faz um barulho diferente, treme diferente e até quebra (e quebra seu saldo bancário). Não é à toa que os bretãos muito sabiamente os consideram She...
Ah, essa vida dura!  - Foto Jefferson Neitzke.
Ao longo dessa última semana, então, me dediquei a recuperar a catraca voadora e a instalar algumas das pecinhas maravilhosas da Harken que o Paulo, do Bepaluhê, me enviou para acabar com meu sossego!!!

Nossa estadia na Boreal tem sido excelente. Voltamos a socializar com velejadores e até com lancheiros (estes devidamente doutrinados pelo comodoro Alan Trimboli, do Meltemi). A Alice vive para lá e para cá (aprendeu a pescar!) e sempre encontramos um amigo ou recebemos visitas.

Na sexta foi a vez do Olavo, da Sun Sails, que foi medir o barco para a conclusão da gennaker (toda vermelha dessa vez); no sábado, no nosso contrabordo, recebemos o Elder, o Russo e o Cardoso do Ranger 22 YES; no domingo, quando enfim consegui sair com a Prscila, a Brida, a Alice e a Ayla (amiga pré-teen da Brida), dentre tantos barcos conhecidos o destaque foi o Goludo (Atoll 23), do Jefferson. Fomos só até ali: no motor, fundemos no Sangava e lá ficamos até que... voltamos. A entrada na vaga rendeu aplausos - acho que pegamos o jeito.

Nosso novo projeto agora são as regatas em Santos. O alvo central é a da Marinha, mas nesse sábado iremos participar da 7ª etapa do Santista de Oceano, organizado pelo CIR. Dia 30/11 faremos o último curso básico do ano e já estamos com o calendário 2014 preparado e cheio de supresas! Haverá até cruzeiro pela Ilha Grande!!!

E é isso, vamos no pano mesmo!

Comentários

  1. Gennaker vermelha?? Não posso perder isso por nada!!

    Abraço Juca!!

    ResponderEliminar
  2. Depois que apareceu na revista o Malago ficou exigente com a roupa heim??!!!!! A Gennaker vermelha vai digna de um belo quadro!

    ResponderEliminar
  3. Grande comandante fico feliz em saber que o problema da mestra foi detectado com muita observação, a cada post para mim é um grande aprendizado, espero que em 2014 possamos voltar a fazer um grande velejada com a de Ilha Bela. abraço Celso Antunes.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Onde guardar um veleiro.

De Ubatuba a Santos

De Vitória a Recife