Vizinho do Cusco Baldoso...

Boas!

O Malagô está de casa nova e é vizinho do Cusco Baldoso (o novo dono vai trocar de nome, mas ainda não o fez). Ter ficado um tempo longe do atollzinho me fez bem, pois olho para ele e já não o sinto mais meu, nem me importo (tanto) se estão limpando ou não o fundo. Ainda bem, pois já tenho problemas demais com o meu próprio barco!

Semana passada instalei um painel solar de 50W (comprei no Mercado Livre). Ele gera cerca de 25 amperes por dia. A conta é simples e até eu sei fazer: 50 W / 12 V =  4,16 Amperes por hora. Em um dia, ele gera essa amperagem ao longo de seis horas em média. Logo 6 x 4,16 =  24,96 Amperes.
Detalhe do painel solar e do meu vizinho de  poita: o Cusco Baldoso!

Meu consumo maior vem da bomba de porão, que consome 8 amperes por hora. Em sua situação normal (como agora) as bombas do Malgô funcionam meia hora por dia no total. O consumo de 4 amperes por dia, está, assim, plenamente garantido e com folga para em uma situação emergencial, como a que eu enfrentei  não haver falta de energia e alagamentos (na crise o consumo chegou a 16 amperes por dia). Coisas que só com o barco perto dá para fazer.

Por falar nisso, apesar de tudo (de bom) que eu achei de Ubatuba, para o Malagô a Ribeira agora será apenas destino transitório e base de apoio para o curso de vela. Aqui custa mais caro e é mais feio, mas não dá para ficar longe do Velho Mala. Hoje em menos de uma hora eu estou a bordo, sem precisar incomodar ninguém - não é, Stark?!

Hoje termnei de consertar o quadrante. Faltavam alguns ajustes. Troquei o cabo de aço de 6 mm por um de spectra de 6mm. Troquei também o esticador. O antigo era de furos, já os novos são duas belas peças da Ronstam que eu usaria na troca do estaiamento do Cusco Baldoso. Quem guarda, tem. A spectra nesse caso tem três vantagens: 1. Resiste melhor do que o aço à torção do cabo, que foi a causa do rompimento do meu quadrante; 2. Para uma mesma bitola a carga de ruptura é muito maior, no caso 2.300,00 kg/f e 3. qualquer conserto é feito na base do lais de guia e do nó oito, enquanto o aço precisa de nicopress. Além disso, assim como o aço a spectra tem baixissimo estiramento sob tensão.
O cabo de aço do quadrante foi substiuído por um cabo de spectra e a tensão vem de um super esticador de aço inox da Ronstam!

Quanto a subir para fazer o fundo estou esperando o Pirulão, meu marinheiro e ajudante, temrinar a pintura de um outro barco. Acho que esse serviço agora só em julho ou agosto. Não tem mais pressa! Hoje mergulhei e para minha surpresa o casco está limpinho, sem nem limo mesmo após mais de um mês desde a última limpeza. Não estou reclamando, mas já era para ele estar muito sujo!

Semana que vem vamos para o mar de novo, dar aula! Eu já ando com banzo do mar...

O Malagô, sob um céu de Monet...

E vamos no pano mesmo!

Comentários

  1. Ô Juca...já tô me sentindo um inútil...Você nunca me incomodou, pois prá mim era uma delícia visitar o Malagô, seja para um churrasco, seja para ajudar em qualquer coisa...Fico feliz por vocês e sei que é difícil ficar longe do barco. Continuamos por Ubatuba, agora e cada vez mais. Sua base de apoio também continua aqui. Abraços e Bons Ventos!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha não, nossa base, pois vc ainda é meu imediato e ainda vai ter que trabalhar! Folga não que o Malagô tem muito convés para esfregar!!!!!

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

De Ubatuba a Santos

De Santos à Vitória

De Vitória a Recife