Jogo dos sete erros...

Boas!

Essa foto foi tirada em Paraty, no dia que seguimos para o Guarujá (ainda sem saber que ficaríamos em Ubatuba).



Quem arrisca dizer o que está de errado nela?!

Uma parte é fácil, mas outra é mais difícil, pois o que parece errado está certo e o que parece estar certo, está errado. Bom, chega de trava-língua e vamos à análise:


1. O tope da vela não sobe até o tope do mastro.

Sim, é verdade. A questão é: qual o motivo?

De início cabe explicar que essa é a vela de transporte do Malagô. Aquela reservada para o dia a dia, para aguentar porrada. Quanto mais se usa a vela mais ela se deforma, mais ganha "barriga" e a performance diminui. Por isso veleiros de regata trocam de "panos" com uma velocidade absurda. Haja saldo!

Por ser a vela do dia a dia o Cesar, antigo dono do Malagô, resolveu usar seus dotes de mestre capoteiro e passou a tesoura na vela, diminuindo-a em altura. O objetivo não foi o de eitar que o tope chegasse ao final do mastro, mas sim subir a retranca, tornando o barco mais seguro e confortável. Só que apesar do acabamento impecável na costura,  a coisa não funcionou muito bem. Pelo menos não sem que alguns ajustes mais severos tenham sido necessários.

O primeiro defeito, mais visível, é que a mestra não subia toda. A valuma esticava ao máximo, mas na testa sobrava tecido e não tinha jeito.

2. O segundo defeito está na parte de baixo da vela, junto à retranca. Ela está esticadinha. Achatada. Quase plana. Isso não é nem certo, nem normal. Na verdade essa parte deveria estar como o restante da vela, com "sulcos", que uma vez cheios de vento darão o formato típico.

A razão do primeiro e do segundo defeito está no terceiro:

3. Como a vela teve sua geometria alterada, o ponto em que o punho da esteira se prende à retranca mudou. Eu percebi isso apenas quando a argola que ficava nesse ponto estourou depois de um jaibe mais desajeitado. Minha solução foi atar um cabinho de spectra no lugar onde ficava a argola, só que é evidente que ele se deslocou um pouquinho em direção ao mastro. Assim, de um "acidente" veio a luz. A valuma esticou menos e com isso conseguimos fazer a vela subir mais, sobrando menos tecido e, finalmente, subindo mais a ponta da retranca.  

Por conta do recorte o cabo da esteira deve ter um ponto na retranca mais próximo do mastro e distante da ponta. Do jeito que a coisa estava, a esteira ficava ultra mega power blaster esticada, deformando uma velinha honesta, mas que já está para lá de Bagdá!

Mas será que apenas isso resolve o problema?

Antes de continuarmos essa discussão, analise com cuidado a foto a seguir e me diga se essa vela (que é a mesma vela, só que com vento) está em boas condições (o fato dela não subir até o tope deve ser desconsiderado):




E vamos no pano mesmo!




Comentários

  1. O Motivo da vela não estar totalmente içada, ou trimada é que um tripulante à proa, está verificando suas mensagens no celular, enquanto o outro (eu mesmo) jaz sentado à sombra do bimini sossegadamente (e ainda trás uma toalha em volta do pescoço). As imagens não mentem...rsrsrsrs

    ResponderEliminar
  2. kkkkkkkkk!
    Bom, olhando por esse ângulo, tens toda razão! Cambada de vagabundos! E o Capitão arrancando os cabelos!
    ET.: aposto que no telefone era a Iáiá..

    ResponderEliminar
  3. Respostas
    1. Vai rindo, vai! Quando vc voltar vai ter muita adriça para caçar e convés para dar brilho!!!

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

De Ubatuba a Santos

De Santos à Vitória

De Vitória a Recife