Travessia Ubatuba Buenos Aires - Soneca - Parte 05 - Final.

Boas.

Dia desses eu estava no Soneca, durante sua estadia aqui no Clube Internacional de Regatas. Enquanto o Tio Spinelli falava de seus planos e os marujos Bruna e Vitor se debruçavam sobre cartas náuticas, ansiosos com a viagem, eu me peguei pensando em quanto aquele barco era diferente, comendo um naco de doce de banana. 

O Soneca é um barco espartano. Não tem luxos como ar condicionado, geladeira elétrica ou convés de teca. Aliás em seu convés pode-se andar calçado, coisa que me agrada por demais! A comida é feita em conservas e com isso no meio do oceano pode-se comer um bife a rolet com cheiro de recém cozido. O casco é um tanque de guerra.

A bandeira da Argentina hasteada na cruzeta do Soneca.

Cada coisa em seu interior não está lá à toa. Cada item tem sua função específica e está em lugar determinado. Não raro a gente escuta o Tio dizer: "Pega aquilo que está no segundo armário da cabine de proa, a bombordo, em uma caixa amarela de tampa transparente". E sempre a tal coisa está lá, do jeito que ele falou. Em uma travessia, em especial em uma travessia longa como a que o Soneca fez, ter tudo arrumado a bordo e ter uma mapa mental da arrumação é uma questão de sobrevivência. 

O Spinelli tem uma sintonia com o mar e com seu barco que hoje em dia é algo cada vez mais raro. Ele é um dos poucos velejadores que hoje em dia têm alma de explorador. Tem uns seis GPS a bordo, mas sabe usar o sextante. Estiva cabos de um jeito simples e que nunca dá enrosco. Prefere ir no vento. Ele sabe que um veleiro é mais do que um objeto de lazer dominical ou um item de status. Mais do que isso, é uma máquina de viajar, ávida por conhecer o que existe além do horizonte. O Tio conversa com o Soneca e sabe ouvir o que ele diz. E vice versa. É algo que quem é apaixonado pelo mar, por aventuras, por navegação, enfim, adora ver. 

Não, o Soneca não é um barco luxuoso. Mas é um barco que vai para qualquer lugar - coisa que muito barco chique por ai não faz, em especial aqueles condenados a boiar no píer à espera de um verão que muitas vezes não vem.

Vitor Young em momento Soneca.
Ontem pela manhã o Soneca completou a travessia a que havia se proposto. De Ubatuba a Buenos Aires foram percorridas 1.226 milhas náuticas, ao longo de 24 dias e 04 horas - sendo que cerca de dez dias foram de exclusiva navegação (os demais foram em portos, a espera de tempo adequado). Houve escalas em Santos, Paranaguá, São Francisco do Sul, Joinville, Porto Belo, Florianópolis e Rio Grande. Na tripulação que chegou à capital portenha tivemos a Bruna Tau, de São José dos Campos, o Vitor Young, de Santos e o Silvio Guimarães, de Barretos. Ainda tivemos a companhia do José Eduardo e do Genésio por parte do caminho.

A tripulação: Vitor Young, Silvio Guimarães, José Spinelli e Bruna Tau.

Eu acompanhei tudo aqui do escritório e passei através do blog uma ínfima parte do que eles viveram. A verdade, porém, é que apenas quem esteve lá tem a dimensão do tamanho do feito, por mais que o Tio vá falar dessa travessia como uma simples ida até ali. Vivemos em um país que permanece de costas para muitas coisas, incluindo o mar - embora nossa vocação marítima proporcional aos mais de oito mil quilometros de costa. Passamos dia após dia inventando amarras e adiando o sonho que temos de ir lá ver, como se tivéssemos todo o tempo do mundo. Não, não temos.
Bruna, Vitor (com umalinda camiseta) e Silvio.

Eu viajei com eles, mas via Spot.

O Soneca na noite de Puerto Madero.

Por isso, mais do que registrar o final dessa travessia, eu gostaria de parabenizar enfaticamente a Bruna, o Vitor, o Silvio, o Genésio, o José Eduardo e, principalmente, o Tio Spinelli, por terem tido a coragem de ir até lá e ver o mundo com seus próprios olhos, por serem os protagonistas de suas próprias vidas.  

Agora é pensar na volta! Temos duas vagas!!!

E vamos no pano mesmo!

Comentários

  1. Juca. Como dizia um antigo marinheiro do CRG... "Num barco, cada lugar tem seu nome e cada coisa seu lugar". Abraço.

    ResponderEliminar
  2. Eu não diria melhor! Traduziu o que eu vi do Soneca e do Tio Spinelli!

    ResponderEliminar
  3. Juca, tive a oportunidade de conhecer o Tio quando vim morar em Ubatuba e a felicidade de tê-lo a bordo do Gaipava para uma velejada radical afim de constatar a casca grossa do barco e do marujo. Confesso que o Gaipava saiu-se melhor que eu, mas tirei grande aprendizado daquele dia. O Tio Spinelli foi em dois outros dias só prá melhorar meu sistema de riso da mestra. Velejamos também eu e a Maria no Soneca. Por tudo, nada me surpreende que tenha chegado onde chegou. Só lamento não ter ido nessa...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Onde guardar um veleiro.

De Ubatuba a Santos

De Vitória a Recife