Os jaibes mataram o gato!

Boas!

Sábado, 22, fizemos mais uma travessia de instrução, com alunos, dessa vez entre Guarujá (Boreal) e a Ilhabela (Saco da Capela). 

Tudo pronto a bordo (incluindo o novo bote inflável de 1,8m,  apelidado de "perigo amarelo" - homenagem do Cassio ao Cabinho e a prancha de SUP), zarpamos eu, Cassio, Tamis e Oscar em direção à capital da vela. O dia ainda não havia nascido quando soltamos as amarras do cais da Boreal às 04h22.

Motoramos até a Ponta Grossa e assim que o dia raiou abrimos as velas na configuração que chamo "Armação Ricardo Stark": vela mestra no primeiro rizo e buja. O Ricardo (Gaipava), muito acertadamente adota essa armação em condições mais difíceis e com isso mostra que sabe das coisas, pois em ventos mais frescos ela deixa o barco mais equilibrado, ainda que possa tirar um pouco de desempenho.

A previsão pedia mesmo um pouco mais de prudência. Um SW, fruto de uma frente fria que entrou horas antes, deixou o mar um pouco mais mexido do que o normal, do jeito que o Goludo gosta!

Seguimos com ventos pela alheta tendo Alcatrazes (bastante visível) na proa. O barco voando e o motor desligado desde antes da Moela. Com isso fomos ganhando altura e nos afastando de terra. Aliás foi com certo espanto quando percebi que havia navios em curso mais próximos de terra do que a gente. Fomos longe! Nessa hora, na altura da Ilha de Arvoredos, fiz um ou dois cálculos e vi que se empopássemos cairíamos direto na Ilha de Toque Toque, nosso portão de entrada para a Ilha.  

Na empopada o ajuste entre leme e velas ficou um pouco prejudicado, pois faltava um pouco de pano à frente e o veleiro ficava com uma inquietante tendência à orça. Enrolamos a buja de trabalho laranja e pronto, leme na mão de novo. Fomos apenas com a mestra rizada, tendo o cuidado de instalar um preventer

Mas... o mar estava baixo, com 1,5m de onda - com uma ou outra malvada de 2,0m  de quando em vez -  e o vento começou a apertar. Dez, quinze e depois vinte e cinco nós. Manter um rumo sem alterações é imprescindível, senão o jaibe vem (a retranca muda de lado violentamente, o que pode ser perigoso para o barco e para a tripulação). Para ajudar a ondulação vinha de W e não casava diretamente com o vento. Além disso o vento também dava sua rondadinha e depois do segundo jaibe decidi que era hora de mudar um pouco as coisas. Baixamos a mestra e abrimos a buja de trabalho. "Assim o jaibe não mata ninguém", pensei. Estava mais ou menos certo, como veria depois, já no Saco da Capela. 

O barco voava baixo, mesmo com quase nada de pano. Surfadas de oito nós. Média de 5. Tanque de diesel transbordando de tão cheio. É assim que tem que ser! Chegamos no través de Toque Toque às 15h14 e pouco depois estávamos na poita, no Saco da Capela.  

Cansados, fomos para terra comer algo quente - e gelado, pois uma aguinha com gelo fez muita falta nessa travessia. Às 21h00 já estávamos todos dormindo.

No dia seguinte, bem cedo, a névoa encobria tudo e a notícias do vento e do mar lá fora não eram nada animadoras. O retorno seria pela estrada. 

Preparando o barco para a "hibernação" na poita, ao caçar a adriça da buja vi o cabo subir até depois da primeira cruzeta: os jaibes e o esforço concentrado em uma única vela acabaram com o gato que segurava o tope, preso por uma pontinha de nada. Por pouco não ficamos sem vela de proa! Por livre e espontânea pressão o Cassio subiu no mastro e nos safou dessa bela onça. Os jaibes acabaram matando alguém, sim: o gato (espécie de mosquetão de aço inox)!

Pobre bichano...

E vamos no pano mesmo!

Galeria:















Comentários

  1. Puxa...quanta Honra!! 'Armação Ricardo Stark' !! Cautela e Canja não faz mal a ninguém!!rsrsrsrs E com relação ao 'gato', não gosto!! Ele solta por qualquer pequeno esforço. Troquei por um mosquetão e não tive mais problemas ou então o velho 'lais de guia'. Uma vez o gato abriu e a adriça foi lá em cima. O jeito foi pescá-la com a adriça do balão, com um gancho de metal e 2 horas de paciência e suor...Espero vcs aqui em Ubatuba!! Abraços a todos!!

    ResponderEliminar
  2. minha dica no lugar do gato Coloca o velho oais de guia epara os jibe entra no site da wichard e compra um preventer e monta um sistema preso de bomborbo a boreste com reduções vai custar uns 1500 reais mas vale a pena,bons ventos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

De Ubatuba a Santos

De Santos à Vitória

De Vitória a Recife