sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Bumbum de neném!!!

Boas!

Foi "vapit, vaput" mesmo! O Cusco subiu na segunda e hoje voltou a flutuar com o bumbum lisinho , lisinho!

 
Detalhe da quilha ...

... e do leme.



A casa do Cusco - o canal de Bertioga. Ao fundo, à esquerda, fica Santos...

... e à direita, o mar.

Nessas horas...

... é muito bom...

... não ser cardíaco!
E vamos no pano mesmo!

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

É vapit, vupt!

Boas!

Na última segunda-feira o Cusco Baldoso subiu para fazer o fundo - que nem estava tão ruim quanto eu pensava. Já recebeu tinta venenosa e amanhã já volta para a água, onde é o lugar dele!






Enquanto isso o Aruã (aluno que virou amigo) manda notícias lá de Zurich, na Suiça, para onde foi a trabalho mas  já anda pensando em arrumar um jeitinho de velejar!

O Aruã e sua esposa Juliana, durante  aula no Cusco Baldoso em junho desse ano...

... e uma das fotos que o Aruã mandou lá da Suiça!

E é isso ai, vamos no seco mesmo!

sábado, 25 de agosto de 2012

Ponta da areia...

Boas!

O barco ia subir na última quinta-feira para fazer a pintura do fundo. Mas a maré não ajudou e agora só depois do dia 31 de agosto. Quem gostou disso foi o Jader, meu aluno que veio lá de São Luis do Maranhão para ter aulas de vela no Cusco! Pois agora ele já pode participar das reuniões de quarta-feira  lá na Ponta da Areia e dizer que é VELEJADOR. Qualquer dia quem aparece por lá somos nós aqui de casa, para dar um abraço nesse pessoal e  "Viver de brisa, arder em brasa, no calor do Maranhão"!



Aproveitei e instalei o barometro, o termometro, o relógio e o DVD. Por sugestão da Priscila usei velcro (descobri um mundo novo) e não fiz nenhum furo nas novas anteparas. Agora o Cusco tem música!







E vamos no pano mesmo!

domingo, 19 de agosto de 2012

Xô Preguiça!

Boas!

Finalmente tive um final de semana inteiro a bordo do Cusco!

Vamos velejar, xô preguiça - como a da foto abaixo, que eu encontrei no sábado repousando em berço esplêndido no meio da estrada Guarujá/Bertioga! 

Dei aulas esse final de semana e foi muito bacana: vento de até 25 nós, de leste (ainda bem que eu estava com a buja), ondas grandes e muito sol. 

Só não foi perfeito porque minhas meninas não estavam comigo...

E vamos que vamos, no pano mesmo!


Minha amiga, Dona Preguiça, após o resgate pelo pessoal do DER.

É assim que está a cabine hoje -mas ainda não terminou!

Vento, vento, muito vento!

A tampa do armário que fica abaixo da pia voltou, remodelada; o Piratinha da mesa de navegação, também!

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Cusquinho...

Boas!

Ainda ano passado construí (em ply-glass) um dingue D-5 para servir de apoio ao Cusco. O barco estava em Paraty e um caíque fazia muita falta. Ele ficou pronto em dezembro, mas eu nunca o levei para "o paraíso". Acabei comprando um inflável usado no sistema pague quando puder, por lá mesmo. Deixei o D-5 aqui na garagem até mês passado. Agora não quero outra vida! Que botinho legal!!! Leve, rápido, indiferente à forte correnteza do canal. Ele tem excelente reserva de flutuação (aguenta com folga eu e o Pirulão - 75 kg + 130 Kg) e mesmo totalmente cheio de água, não afunda. Ele é bem leve - mais que o inflável! - e é bem simples de estivar no convés. Eu apenas achei que o motor 3,3 hp é muito forte para ele, além de afundar muito a popa do barquinho. 

Cusquinho, Dinghy D-5

O Pirulão tocando o Cusquinho...



Já as anteparas estão praticamente terminadas. Falta apenas instalar os reforços laterais - dois sarrafos de cedro rosa, em cada antepara. Aproveitei e fiz um "envelope de madeira" (compensado de cedro naval, 6mm, com a borda que dá a profundidade feita com sarrafos de cedro rosa 20mm x 20mm), próximo à mesa de navegação, para levar os quadros resumo RIPEAM, tábuas da maré e alguns documentos. O barômetro será instalado na face desse envelope. Na foto ele ainda estava sem verniz, apenas com resina epoxy.











E vamos que vamos!

sábado, 4 de agosto de 2012

Substituição de anteparas, parte II

Boas!

Os trabalhos para a substituição das anteparas continua, mas está quase acabando. O tal do trabalho (aquele, que paga as contas) me pegou de jeito e apenas hoje pude ir até a marina continuar a obra.

Um cuidado que tive com todas as madeiras - não apenas as das anteparas, mas todas as do barco - foi passar uma camada de resina epoxy - Tubolit, scuna, 9100. A resina encapsula a madeira e, no caso dos compensados de cedro, impregna o laminado. A umidade e até a água, então, deixam de produzir danos à madeira, aumentando a longevidade. Eu  espero não ter que mexer nisso nos próximos dez anos!

A instalação das anteparas  foi algo " não tão complicado demais, mas nem tão simples assim", como diz a música daquele moço que mora pertinho daqui de casa... No útlimo post eu disse que o céu não desabou sob minha cabeça -é verdade. Mas ele cedeu um pouco, sim. Eu devia ter escorado o teto antes de tirar as anteparas. Fica a dica!

Que fiz eu?

Com a ajuda do Pirulão, meu marinheiro fiel de todas as horas - subi o teto usando um macaco. Mas não foi uma operação muito tranquila. A cada centímetro que o teto subia, o paineiro (ou o chão) baixava e fazia um terrível "créc". Foi tenso e nessas  horas eu não sou tão cauteloso quanto no mar: paguei para ver!

Deu certo, mas não foi sensato. A escora do teto é uma providência muito mais acertada.




A próxima etapa é prender os reforços dos fuzis dos brandais nas anteparas principais (ai já dá para voltar a velejar), laminar as anteparas no casco (resina engrossada com aerosil) e aproveitar para consertar quatro pequenas fraturas na fibra do teto e continuar com o verniz...

E vamos no pano mesmo!

Velejando no Nordeste...

Boas! Por conta do lançamento do livro A Travessia Azul, fiz palestras em algumas cidades para contar para as pessoas mais sobre o que ...